DestaquesPolícia

Elemento de 18 anos invade creche, mata 3 crianças, a professora e a monitora

Assassino entrou no local com um facão. Ele deu golpes contra o próprio corpo e foi levado em estado gravíssimo a um hospital da região. Crime ocorreu no município de Saudades, que é próximo de Chapecó.

Participe do Canal do Força do Vale no WhatsApp

Três crianças e duas funcionárias de uma escola infantil de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, foram mortas por um ____________ de 18 anos, após um ataque a faca nesta terça-feira (4).

Ele tentou fugir e foi contido por pulares. Tentou cometer suicídio, e foi levado em estado grave para um hospital de Pinhalzinho, município vizinho.

O delegado da Polícia Civil de Chapecó espera a liberação dele para fazer a oitiva e tentar entender as motivações do criminoso, que é filho de um jardineiro de Saudades, conhecido de todos.

ATUALIZAÇÃO ÀS 14H13MIN
O autor da chacina já foi identificado. Um jovem de 18 anos completados recentemente. Ele estava entubado em estado grave no hospital de Pinhalzinho e agora no começo da tarde foi transferido para o hospital de Chapecó. A transferido foi acompanhado pelo pelotão tático da PM.
Conforme informações do Corpo de Bombeiros ele golpeou a si mesmo no pescoço, tórax e abdômen.
Duas vítimas já foram identificadas. São as duas professoras que foram atingidas dentro da escola.
Uma delas é a professora Mirla Renner de apenas 20 anos.
A outra vítima foi a professora Keli Adriane Anieceviski, ela tinha 30 anos.

Ambas era funcionárias da creche Aquarela em Saudades.

Chamada Aquarela, a escola atende crianças de 6 meses a 2 anos.

As funcionárias eram professora e agente educacional da escola. Keli Adriane Aniecevski dava aulas na unidade havia cinco anos.

Além da professora, uma monitora também ajudou a tentar salvar os bebês, mas acabou sendo morta. Uma quarta criança está internada, mas sem risco de morte.

O prefeito da cidade, Maciel Schneider, chorou ao falar do caso: “Tenho filho pequeno”.

Uma professora da escola, que não estava na unidade no momento do ataque, disse que, segundo relatos, funcionárias começaram a esconder os bebês quando o assassino começou o ataque.

Agro Dália

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fale conosco!