Alexandre Garcia

#AlexandreGarcia | Lula e Biden

Participe do Canal do Força do Vale no WhatsApp

Desde que foi convencido a dar entrevistas todos os dias para ocupar lugar na mídia, o Presidente Lula insiste em criticar a autonomia do Banco Central e, em especial, de seu presidente, Roberto Campos Neto, indicado por Bolsonaro. Nesses últimos dias chamou de cretinos os que registraram, mas à medida em que fala sobre contas públicas, juros e Banco Central, faz o dólar disparar. Contra a autonomia do Banco Central, Lula quer que o presidente seja indicado por ele. Aí o dólar vai a 5,70, encarecendo tudo. No entanto ressalva que tem que esperar com paciência o fim do mandato de Campos Neto, porque é lei do Congresso. Então por que fala, se vai esperar?  Só se desgasta e afeta a economia, com declarações no mínimo estranhas, como esta última, de que o MST não tira terra de ninguém; quem tira terra do agricultor são os bancos. Para quem teve apoio de banqueiros, a declaração só o faz perder apoio. Erros simples de avaliação, cometidos por quem sempre teve a fama de intuitivo, revelam um certo cansaço, neste ano e meio de terceiro mandato.

Lula chegou a imitar Bolsonaro, na crítica ao Supremo: “A Suprema Corte não tem que se meter em tudo”. Aliás, o falar excessivo atribuído a Bolsonaro parece estar sendo superado por Lula, reclamando de mães que têm filhos demais, anunciando que não vai financiar os arrozeiros gaúchos que saíram de secas para enchente recordista e acusando o Presidente do Banco Central de trabalhar para os banqueiros, mas sempre elogiando o MST que, por sua vez, critica Lula por frustrar as expectativas dos sem-terra. Na polêmica da droga, lavou as mãos como Pilatos. Eximiu-se de opinar, atribuindo a decisão à “ciência”, esquecendo que as famílias esperam a ação social e sanitária do estado para evitar, tratar, reprimir e pegar o traficante – e diminuir a desgraça.

Artigos relacionados

Até hoje o país lembra do Presidente Itamar, que afastou o Ministro Hargreaves até que ele demonstrasse inocência de uma suspeita, pois um ministro precisa estar acima de qualquer suspeita. Lula não considerou o bom exemplo, e mantém o Ministro Juscelino Filho, mesmo indiciado por corrupção pela Polícia Federal. Pega mal encarar um indiciamento por corrupção como algo com que pode conviver? Quando perde no Congresso e derrubam seus vetos, culpa as lideranças, os ministros e agora os jornalistas e, provavelmente, seus marqueteiros.

Como no Rio Grande cheio d’água o discurso ficou esvaziado pela falta de ações efetivas, um gigantesco encontro do agro gaúcho está marcado para esta quinta-feira, para tentar despertar o governo federal.
Em política externa não é diferente. Está perto de Maduro, de Cuba, de Ortega, do Irã, do Hamas, e longe de Israel, com que temos contratos, e da Argentina, com quem temos vizinhança. No “golpe” da Bolívia, foi apressado e enganado pela fraude, que Evo Morales não engoliu. Nos Estados Unidos, está cada vez mais palpável a volta de Trump e o Brasil poderá ficar só com os amigos de Lula, já meio distanciado de Boric, do Chile, e sem afinidade com os presidentes do Paraguai e Uruguai. Milei vai estar no fim-de-semana em Balneário Camboriú, com Bolsonaro, e não vai estar com Lula na segunda-feira, na reunião do Mercosul em Assunção. Enfim, o Presidente do Brasil caminha mais e fala mais que Biden, mas os resultados se parecem.

 

Agro Dália

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fale conosco!