COVID-19DestaquesSaúde

Marcos Pontes anuncia que três vacinas brasileiras vão iniciar testes clínicos

Anvisa já recebeu pedido para início dos testes em humanos de uma das três candidatas

Participe do Canal do Força do Vale no WhatsApp

O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, anunciou, nesta sexta-feira (26), que três vacinas contra a Covid-19 criadas no Brasil concluíram os testes não-clínicos com resultados positivos. Umas das candidatas apoiada pelo governo federal solicitou, nesta quinta-feira (25), autorização da Anvisa para testes em voluntários.

Ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, Pontes defendeu que a formulação de vacinas nacionais é uma questão de soberania e preparo para pandemias futuras. “A gente vai ter outras pandemias infelizmente, então vamos ter a tecnologia para criar vacinas. E é uma questão de soberania, nós vimos a dificuldade que é importar vacinas durante essa pandemia”, afirmou o ministro.

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, reforçou a fala do colega sobre a importância da produção de uma vacina nacional, sem depender da importação. Ele declarou que, embora o Brasil já tenha mais 500 milhões de doses de imunizantes contratadas, o ritmo da vacinação continua lento.

Queiroga voltou a prometer que o governo vai atingir a meta de vacinas um milhão de pessoas por dia no começo de abril. Além disso, defendeu a máscara e o distanciamento social. “O Brasil não é a pátria de chuteiras, e sim a pátria de máscaras”, disse.

Pontes afirmou que o governo federal apoiou 15 pesquisas de imunizantes contra a Covid-19, mas dessas apenas 3 avançaram nos testes não-clínicos. O ministro não entrou em detalhes sobre as instituições desenvolvedoras das vacinas, exceto pela que já fez o pedido oficial à Anvisa, que foi criada pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (FMRP-USP).

Versamune, a candidata da FMRP-USP

“Os resultados dos estudos não-clínicos (toxicidade e imunogenicidade) obtidos até o momento demonstram qualidade e competitividade para ser um sucesso nacional e global no controle da Covid-19”, informou o Ministério da Ciência, em nota.

Desenvolvida pela Universidade de São Paulo, em parceria com a empresa brasileira Farmacore Biotecnologia e a PDS Biotechnology Corporation, o imunizante Versamune®️-CoV-2FC utiliza a tecnologia da “proteína recombinante”, a mesma utilizada pelas vacina de Oxford. “A vacina demonstrou capacidade de ativar todo o sistema imunológico – imunidade humoral, celular e inata, induzir memória imunológica e proteção de longo prazo”, completou o governo federal.

O anúncio do Butantan

A fala dos ministros ocorreu um dia após o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, anunciar a criação de uma vacina com tecnologia própria que já estava na Anvisa, esperando liberação para início dos testes em humanos. Nenhum dos dois ministros citou esta vacina durante a entrevista.

 

Agro Dália

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fale conosco!